quarta-feira, 16 de janeiro de 2008

Não vestido...


Com o "calor" que se faz sentir no Chiveve me apetece mesmo ficar "não vestido". Calor na pele na alma e já agora na atmosfera política. Por um lado são as "Dádivas" do Edil do Chiveve que são exageradamente "politizadas" chegando a se desvalorizá-las. Já agora vem a Junta Nacional da Salvação da Renamo achando que Simango é o "Moisés" que vai tirar e Renamo para a "terra prometida". Aqui acho conveniente usar o ditado "You got the vision, you got the job". Tiveram a ideia de salvar a Renamo? Tenha o trabalho de salvá-la. Porque misturar Simango com isso? Me lembro de como no "partido grande" alguns camaradas chegaram a ministros e outros postos grandes só por terem feito bem alguns "servicinho" como caso de campanhas eleitorais. Será pelo bom desempenho de Simango como Edil do Chiveve que os "camaradas" da JNSR o propõe sucessosr de Dhlakama? Não é isso uma forma de minar o futuro político de Simango atirando-o já para uma "panela a ferver"? Como será ele visto pela "Renamo de Dhlakama"? Não haverá entre os "grandes pensadores" da JNSR alguém que se compadeça pela Renamo que queira realmente salvá-la a ponto de "liderar a rebelião"?
Isso está quente e promete aquecer muito mais nos próximos dias. Aqueceu ainda mais hoje por causa de mais um cápitulo da "novela". Mal ou bem contada essa novela perdeu graça. Penso que está na hora de alguém "adulto" vir me desligar o aparelho de televisão e me contar a verdadeira história. Que rivalidade feia essa entre o Zambeze e o Magazine? Que brincadeira de muito mau gosto. E com tudo isso como não vou querer ficar "não vestido"?

7 comentários:

ximbitane disse...

Pelado sim, mas por favor, com a mão no bolso, hehehehehhehe!!!

Nelson disse...

Relacha Ximbitane. Conheço os limites!
Melhor será aderir ao "blingismo" na sua versão masculina, se quiser "tirar a mão do bolso"... Hehehehehehehe!!!!

Reflectindo disse...

Qt à dita junta, não te preocupes. Que não é um grupo novo, todos sabemos. E o que exige não é democracia, tb sabemos. Se fosse democracia, então, eles usariam métodos democráticos a partir da estrutura a que pertencem.
É verdade, que é preocupante o facto de meter o nome do Daviz Simango nos problemas deles. Estão a destruir o quadro. Preocupa-me e sempre me preocupou este tipo de comportamento e obriga-me a especular que a tal junta deve estar a trabalhar a favor duma outra forca que está muito preocupada com o mérito do Daviz Simango e outros quadros. Uma forca política que quer destruir a Renamo a partir dos seus melhores quadros - o seu capital político. Estou acostumado a discutir sobre isso.

Nelson disse...

O mérito de Simango é realmente uma grande preocupação. Ele se tornou um es+écie de cartão de visita. Algo que a Renamo pode exibir como exemplo de boa governação. Sem querer e sem parecer Simango é uma "mensagem" que há gente capaz na Renamo. Capaz de dirigir e bem melhor do se está habitua do a assistir. Querer empurar Simango para liderar a Renamo vai concerteza colocá-lo numa situação complicada.

Reflectindo disse...

Claro que Simango pode dirigir a Renamo, mas isso cabe ao partido todo. Por outro lado, seja Simango ou outro quadro a ser novo líder, só terá sucesso se passar por pacto entre o actual presidente da Renamo, Afonso Dhlakama e o novo e, nunca atirando ao caixote o antigo. Isso só fragiliza a Renamo, pois será dividida. É o que assistímos com a criacão do PDD.
Afonso Dhlakama tem os seus méritos tanto na Renamo como no país inteiro e, porquê não dizer na África e no mundo. Esse Mocambique, o mundo menos os partidos do centro-direita, quiseram acantonar um líder desta capacidade, deste calíbre no seu partido. Só que ele, Dhlakama, ressuscita sempre como Fernando Lima o chamou - Dhlakama o animal. Já é tempo que Dhlakama podia estar muito engajado na mediacão para o fim de conflitos na África. Ele deve ter mais credibilidade perante as forcas rebeldes que os presidentes e ex-presidentes que defendem o clube. Dhlakama, o sortudo, produz os Simangos, os Mussás, Araújos, etc, e daí um ódio.

Nelson disse...

O aspecto "divisão" me salta a vista. A Junta em si já é um bom instrumento de divisão. Trazer Simango no "tabuleiro" agudizaria essa divisão. Sabe-se que a Junta é encabeçada por um grupo de "generais descontentes". Simango dividiria a Renamo em "nova" e "velha" e adivinhe quem sairia a ganhar? Os defensores do monopartidarismo com certeza. Alegar que se precisa sangue novo na Remano não é suficiente. É claramente evidente que há espaço para sangue novo na Renamo. Penso as vezes que reina na Junta o espírito do "partidão" onde ter participado na luta armada conta mais do que tudo quando se vão distribuir as lideranças. Deve ser dai que surge o descontentamento da liderança da Junta.

Reflectindo disse...

Sem dúvidas Nelson toda a tendência de agitacão em que para lá se mete o nome do Daviz Simango tem um único objectivo: desfazer a Renamo em pedacinhos ainda. É isto que aconteceu para com Raúl Domingos e o grupo ou pelo menos eu estou convencido nisso. A sorte é que Simango é muito inteligente e não acata este tipo de agitacão.
Por outro lado, há gente que não se apercebeu ainda que não temos recursos suficientes para investir nas intencões de regresso ao monopartidarismo.