segunda-feira, 26 de maio de 2008

Dr. AMORIM BILA EM PONTOS DE VISTA: a necessidade de não alterar o discurso oficial

Assisti na noite de ontem(Domingo), mais uma edição do programa televisivo PONTOS DE VISTA. Minha atenção ficou involuntariamente focalizada nas abordagens do doutor Amorim Bila que para mim, claramente se mostrou pro-governamental. O tema do debate era a questão da Xenofobia na Africa Sul e o Dr Amorim fez todo esforço para não se desassociar do discurso oficial. Impaciente, um outro membro do painel fez questar de criticar oque chamou de "obsessão", essa necessidade de falar a "mesma linguagem". Falou do "black empowerment" lançado pelo governo do ANC. Usando a famosa frase "há um trabalho que está sendo feito", defendeu isso com garras e dentes quando o Dr. Venâncio mostrou com números que o tal de "black empowerment" não passpou dum discurso político como tem sido a nossa "luta contra pobreza absoluta". Defendeu que o governo estava preparado para reintegrar os milhares de moçambicano que estão voltando usando como argumento o simples facto de ter se acionanado o organismo que é responsável pelo "desgraças". Chegou ao cúmulo de falar dos 7 milhões dos distritos como saida certa para resolver o "problema" que esses regressados serão ou causarão no ponto de vista sócio económico. Em resposta á asse afirmação o Dr. Namburete e Venancio disseram em coro que falar dos 7 milhões como solução era uma "miragem".

As abordagens do Dr. Morim no programa de ontem me lembraram de como a necessidade de defender o meu "team", pode me "cegar" a ponto de me "obrigar" a dizer barbaridades. Me lembrou ainda dum texto lá no "masturbatório de ideias" do meu camarada Lázaro Bamo que passou para o blog dum dos nossos grandes sociologos e debateu-se bastante.

Ainda acerca dos 7 milhões, li essa manhã no Diário de Moçambique oque o PR disse no balanço da sua última presidência aberta. Gebuza disse que a "grande prova" de que os 7 milhões estão a "funcionar" é o crescente número de moageiras nas zonas rurais. Senhor presidente, se me dizesses que é o aumento da produção de milho e outros cereais eu estaria do seu lado mas me falar de moageiras "faxavor". Quanto tempo de vida dás à essas moageira senhor presidente? Com toda problemática de manutenção que se pode prever. Oque elas farão agora a essa crise alimentar está entrando e se estalando?

Senhor presidente "faxavor". Vamos lá "dar o nome aos bois", dizer as verdades e com todas letras.

5 comentários:

Reflectindo disse...

Muito obrigado pela reportagem do debate. Exactamente, concordo contigo na tua análise. Há muitos que quando fossem ao debate deviam usar unicamente o título político. Aliás, no países onde as pessoas não se interessam em exibir títulos academicos e pior ainda em locais impróprios, se diz ou escreve o nome do indivíduo e o partido que pertence, por exemplo: Amorim Bila (Frelimo) ou Eduardo Namburete (Renamo). Agora esse Amorim fez escândalos nesse debate que julgo ser a falta de responsabilizacão que lhe motivou a dizer o que disse. Quem que não sabe que a crise já se expandiu para Mocambique? Como é que esses 7 milhões vão ser solucão? Irão se retirar dos distritos para construir casas e comprar comida e roupa para os regressados? Sabe ele o que aconteceria se se fizesse assim?
Pessoalmente, estou preocupado sobre o que há-de acontecer em Mocambique quando o mínimo de assistência a que se dá a eles já não existirá; quando os não regressados comecarem a aproveitar-se da situacão. E não só, esses eram independentes e agora passaram a ser dependentes de tudo.

david santos disse...

Olá, Nelson!
Belo trabalho aqui tens. Calar, nunca!
Parabéns.

David Santos

Nelson disse...

Obrigado reflectindo e David pelos encorajadores comentários.

ximbitane disse...

Nelson, também tenho acaompanhado sempre que possivel ao programa que fazes referencia.

Estive impossibilitada de o fazer na primeira parte do programa, mas salta a vista que o Dr. Amorim é frelimista de gema, coisa que até respeito.

Mas francamente, há momentos que devemos despir a camisa partidária! O discurso do homem acaba arranhando a incoerencia tudo porque tem que defender o partido a qualquer custo.

Sorte dele que os regressados estão mais preocupados em sarar as feridas porque soluçoes para o que se avizinha o Dr não conseguiu apresentar.

É o que customo dizer: as vezes vale a pena é ficar calado!

Jonathan McCharty disse...

Esta das moageiras do sr. Presidente fez o meu dia!