sábado, 8 de agosto de 2009

OQUE CHIPANDE DISSE E NÃO DISSE!


“se Mondlane e Machel fos¬sem vivos, seriam também acu¬sados de serem ladrões. Somos ladrões porque estamos vivos?”
Alberto Joaquim Chipande

A grande “vantagem” de se estar morto é que ninguém pode com certeza dizer oque seriamos se ainda estivéssemos vivos.
-Quem pode ter a certeza das mudanças que fariamos ou promoveriamos?
-Quem pode afirmar que não seria “moldados” pelos ventos de mudanças obrigatórias?
Nesse 2009(ano Eduardo Mondlane) muito se falou de Eduardo Mondlane e obrigatoriamente de Samora Machel e outros heróis.
No contexto do que estou pensando, meu destaque vai para oque Duarte de Jesus(Historiador Português) disse durante o Simpósio Internacional realizado em Maputo(Junho), que tinha por objectivo resgatar a história que caracterizou o percurso da construção da identidade e personalidade de Mondlane, transcrevo:
“É muito difícil prefigurar em Mondlane um dos futuros ditadores africanos, finalmente desajustados à realidade sociológica”.
-Como posso ou não posso acreditar no que Chipande disse?
-Oque me faz ter certeza que se vivos, Mondlane e Samora não se teriam tornado “empresários de sucesso” a custa de suas influências políticas governamentais?
-Oque me faz acreditar que se vivo Mondlane e Samora continuariam a “defender” prioritariamente o bem estar de “todos” moçambicanos e não se tornariam em capitalistas selvagens como os outros camaradas, abocalnhando tudo e todos?
Tem ou não razão Chipande ao afirmar que “se Mondlane e Machel fosssem vivos, seriam também acusados de serem ladrões”?
Seriam acusados ou seriam realmente ladrões e corruptos?

6 comentários:

Nyabetse, Tatinguwaku disse...

Boa perguntas, meu mano. Mas eu acho que a resposta hipotética delas estaria baseada na crenca ou não naquilo pelo que lutavam. Alguns acreditavam na causa, e outros aparentemente seguiram os ventos, a onda, a moda. Digo isso porquê? Porque neste 2009 encontramos vários ex militantes que ainda creditam na causa pela que lutaram, mas que acham que os líderes mudaram de rumo e abraçaram entre outras coisas o enriquecimento à base das influencias. Alguns destes ex são cidadãos que à custa do seu suor também contruiram um presente digno. Mas è diferença daqueles, estes não teem medo de dizer como nem quando é que conseguiram acumular oque tem...

M

Nelson disse...

Obrigada pela visita e pelo comentário Nyabetse.
Se “todos” que lutaram pela “minha” se tivessem tornado ricos talvez minha “aversão” pela posição de Chipande fosse menor. Por outro lado deixo bem clara a minha duvida quanto ao rumo que as coisas teriam tomado com Mondlane e Samora vivos.
P.s: Quando é que nos contas o resto da história da polícia?

X!mb!t@nE disse...

Mano, o Chipande disse o que disse! Nao adiante ler nas entrelinhas e nem fazer cogitaçoes. Essa é a verdade, aceitemo-la e pronto!!!

Nelson disse...

Aceitamos calados?

Reflectindo disse...

1. Que Chipande e muitos amigos acham que devem ficar enriquecer porque trouxera a independência, isso sabemos. Nesta questão tenho recorrido a questão dos bancos bem descrita aqui. Mas vejamos que isto diz respeito a muitos do topo. Mesmo no topo, há os que ainda vivos até hoje não são acusados de serem ladrões.

2. Para mim, é importante que cada um seja acusado por aquilo que fez e não o que pensamos que haviam de fazer se estivessem vivos ou farão quando se tornarem adultos. Veja-se a profecia do outro general: os jovens venderão o país. O Machel tem ao que se pode acusar, por exemplo a perseguicão política, os centros de concentracão/reeducacao, etc. Isso é o que ele fez. Em relacão enriquecimento ilícito ele o combateu. A Eduardo Mondlane não se pode acusar nem as práticas de Samora Machel e muito menos ao enriquecimento ilícito. Portanto, essa estratégia de compartilhar o podre tem que acabar, passando por denúncias. O que questiono é com que objectivo Chipande disse que se Machel e Mondlane também seriam chamados ladrões. Não concordo que ele tenha feito aquilo porque não sabe falar.

Abracos

Nelson disse...

Oh Reflectino. Obrigado pela visita e pelo comentario

“Mas vejamos que isto diz respeito a muitos do topo. Mesmo no topo, há os que ainda vivos até hoje não são acusados de serem ladrões”
Aqui deves estar a dizer que nem todo dirigente da Frelimo é corruptamente rico e eu acrescento que nem todo rico(corruptamente) é dirigente da Frelimo portanto não é questão de se ser rico mas de o ser corruptamente.

“Para mim, é importante que cada um seja acusado por aquilo que fez e não o que pensamos que haviam de fazer se estivessem vivos ou farão quando se tornarem adultos”
ESTRATÉGIA DE CHIPANDE.
Aqui eu penso que Chipande quis “tranquilizar” a sua consciência, “trazendo” para seu covíl, Samora e Mondlane, pessoas que no fundo ele tem certeza que nã enveredariam por esse capitalismo desumanamente salvagem. Se o interesse de Mondlane fosse enriquecer com certeza que se deixaria ficar lá nas N.U onde estava bem.
Chipande pode ter dito oque disse como posição pessoal mas eu acredito do fundo do coração que não é o único que assim pensa. Me lembrei da forma como lá em Quelimane( no congresso da Frelimo), a Graça Machel se “revoltou” com a questão da ostentação.